Archive | Agosto 2012

“Conto de uma Rainha Azul”.

Convido a todos para o lançamento do meu livro “Conto de uma Rainha Azul”.
Longe de fazer relatos dos episódios da minha vida, neste livro, convido o leitor a desvendar alguns segredos guardados em um castelo e a exercitar todos os seus sentidos passeando pela história de Maria, uma Rainha Azul, à procura do seu filho, o príncipe Zarif.
Uma surpreendente viagem pela fé, confiança, discernimento, determinação e responsabilidade.
Um abraço azul
Márcia Corrêa

Anúncios

MUNDO AZUL PRAIA DO LEBLON – ABAIXO ASSINADO PELO PROJETO DE LEI PL Nº 1631/11


O MUNDO AZUL CONVOCA TODOS OS PAIS,FAMILIARES,AMIGOS A PARTICIPAR E AJUDAR A RECOLHER ASSINATURAS PARA APROVAÇÃO E APOIO AO ABAIXO ASSINADO PARA O PROJETO DE LEI PL Nº 1631/11 – NESTE DOMINGO DIA 02/09/2012 – PRAIA DO LEBLON A PARTIR DAS 08:00HS EM FRENTE A RUA ALMIRANTE GUILHEN.
VAMOS TER UMA BARRACA COM BOLAS AZUIS,DESTRIBUIÇÃO DE PANFLETOS E RECOLHIMENTO DE ASSINATURAS PARA SER ENTREGUE EM BRASILIA DIA 19/08/2012.
SUA PARTICIPAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA NOSSA VITÓRIA E SUCESSO.
MUNDO AZUL GRUPO DE PAIS
O BRASIL PRECISA CONHECER O AUTISMO

Fila Night Run – RJ – MUNDO AZUL -O BRASIL PRECISA CONHECER O AUTISMO


Fila Night Run – RJ – MUNDO AZUL O BRASIL PRECISA CONHECER O AUTISMO.
O MUNDO AZUL ESTEVE PRESENTE NA SEGUNDA ETAPA DA CORRIDA FILA NIGHT RUN NO RIO DE JANEIRO BARRA DA TIJUCA,COM A PRESENÇA DE 9 MIL CORREDORES.
ILTON CARUSO CORREU COM A CAMISA DO MUNDO AZUL E LUCIANO ARAGÃO MARCARAM PRESENÇA NESTE EVENTO FAZENDO DIVULGAÇÃO,INFORMAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DESTRIBUINDO PANFLETOS PARA OS PARTICIPANTES.
OUTRA MOBILIZAÇÃO FEITA PELO MUNDO AZUL FOI O ABAIXO ASSINADO PARA APROVAÇÃO DO PROJETO DE LEI PL Nº 1631/11 COM GRANDE RECEPITIVIDADE E APROVAÇÃO DA POPULAÇÃO PRESENTE NA CORRIDA.
QUEM MARCOU PRESENÇA FOI A NOSSA MADRINHA E GUERREIRA VEREADORA TANIA BASTO DANDO TOTAL APOIO A NOSSA MOBILIZAÇÃO.
MUNDO AZUL GRUPO DE PAIS
O BRASIL PRECISA CONHECER O AUTISMO.

Araranguá e Região terão Escola Especial de Autistas


Araranguá e Região terão Escola Especial de Autistas
Araranguá – Com o principal objetivo de garantir atendimento especializado e específico para pessoas com Transtorno Global do Desenvolvimento (Autismo) de Araranguá e Região, um grupo formado por pais e mães de crianças com a síndrome está fundando a Associação de Amigos de Autistas do Vale do Araranguá – AMAA.

Em reunião no gabinete da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional de Araranguá na última quarta-feira, as idealizadoras e fundadoras da Associação, Marcia Maria Smielevski, Sabrina Matos e Maria Helena Rodrigues Amaral, expuseram a importância da criação de um centro de atendimento específico para os Autistas.

Elas explicaram ao secretário Regional, Heriberto Schmidt, ao Diretor geral da SDR, Agenor Biava, e à integradora de educação especial e diversidade, Marione Silveira Coelho, que a estatística demonstra que uma em 110 crianças no Brasil é autista. Um estudo preliminar das fundadoras da Associação indica que na Região do Vale de Araranguá há mais de 30 crianças com Autismo. Por isso, os pais dessas crianças estão buscando parcerias e o credenciamento junto ao Conselho Estadual de Educação para abertura do Centro de Atendimento Especializado. Um terreno de 2 mil metros quadrados para a edificação da sede foi doado pelo pai de um aluno e fica localizado no Bairro Coloninha.

O secretário Regional Heriberto Schmidt enalteceu a iniciativa do grupo. “Quanto mais tempo a criança com autismo fica sem ajuda, mais difícil será a sua inclusão. Esta é uma iniciativa nobre, que irá ajudar muitas famílias. A Secretaria Regional será parceira da Associação”, disse. “Conhecer a fundo uma pessoa com autismo pode trazer um aprendizado especial para nossas vidas. Assim como um diamante precisa ser lapidado para brilhar, uma pessoa com autismo merece e deve ser acolhida, cuidada e estimulada a se desenvolver. Uma pessoa com autismo sente, olha e percebe o mundo de maneira muito diferente da nossa. Pais, professores, profissionais e sociedade como um todo precisam mergulhar em seu universo particular e perceber o mundo da mesma forma que a autista vê. Os resultados dessa empreitada são surpreendentes e transformadores”, concluiram.

Informações de Leneza P. Della

Fonte: Redação.

Estudo com autistas terá injeção de células-tronco

Estudo com autistas terá injeção de células-tronco
O Estado de S. Paulo – 22/08/2012
Pesquisadores nos Estados Unidos estão recrutando crianças autistas para um estudo que testará os resultados da injeção de células-tronco dos cordões umbilicais dos voluntários. Eles querem saber se o tratamento amenizaria os sintomas e daria pistas sobre a natureza da doença. O estudo, que começou a seleção ontem, é o primeiro com esse objetivo a ser aprovado pela vigilância sanitária do país.
Cerca de 1 em cada 88 crianças nos Estados Unidos é diagnosticada com alguma doença relacionada ao autismo, que prejudica o desenvolvimento do cérebro e está ligado a dificuldades na interação social e na habilidade de comunicação, além de causar movimentos repetitivos e apego exagerado a certos objetos.
Com esse estudo, afirmou Michael Chez, diretor de neurologia pediátrica do Centro Médico Sutter em Sacramento e líder do estudo, os pesquisadores poderão “responder com firmeza” se a técnica faz efeito.
Trinta crianças com autismo, com idades de 2 a 5 anos, serão divididas em dois grupos. Um vai receber a injeção com as células-tronco, enquanto o outro receberá placebo. Depois de seis meses, os grupos serão trocados. Entre os sinais que serão observados estão a capacidade de linguagem e a irritabilidade.
Apesar de estar contente por finalmente o uso de células-tronco ser posto à prova contra o autismo, Ricardo Dolmetsch, neurobiólogo da Universidade Stanford, disse não acreditar que a pesquisa produzirá resultados úteis. “Acho que não é um estudo grande o suficiente para nos dar uma resposta.” / AP

Mundo Azul Grupo de Pais
O Brasil Precisa Conhecer o Autismo

Mundo Messi – Esporte Espetacular materia completa



Mundo Messi – Esporte Espetacular materia completa.
Mundo Azul Grupo de PAIS
O BRASIL PRECISA CONHECER O AUTISMO

Pai cria bota especial para filho com paralisia poder jogar futebol

http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1681539-15605,00-PAI+CRIA+BOTA+ESPECIAL+PARA+FILHO+COM+PARALISIA+PODER+JOGAR+FUTEBOL.html
Pai cria bota especial para filho com paralisia poder jogar futebol
Felipe não pode andar, a família faz de tudo pela felicidade dele. Mas Felipe sente falta de jogar bola com os meninos, um problema que só um pai criativo e apaixonado conseguiu resolver.

O Fantástico mostra uma história linda que o repórter Elton Novais descobriu em Belo Horizonte. É a história de um pai, naquilo que um pai tem de melhor: a busca pela felicidade do filho.

Felipe tem 13 anos. Durante o parto, a falta de oxigênio no cérebro de Felipe provocou uma paralisia motora. Felipe não pode andar, a família faz de tudo pela felicidade dele. Ele vai para a escola, lê, faz contas, entende tudo normalmente. Está na sétima série, a mesma de qualquer criança na idade dele. Gosta de ver os colegas na Educação Física e se diverte quando aparece um Bola Murcha.

Mas Felipe sente falta de jogar bola com os meninos, um problema sem solução. Ou melhor, um problema que só um pai criativo e apaixonado pelo filho poderia resolver. Alexandro mandou fazer uma bota especial. Pai e filho, agora, são um jogador só.

Na estreia da dupla, eles já marcaram o primeiro gol. Pai e filho também fizeram o segundo gol e a dupla fez o terceiro gol. Quem faz três gols quer pedir música.

“Fala para o Schmidt, ‘eu quero tchu, eu quero tcha. Eu quero tchu, tcha, tcha, Tcha”, incentiva Alexando, pai do menino.

Vários jogadores, profissionais, fizeram três gols durante a semana, ou até mesmo no sábado, e não puderam pedir música no Fantástico. Porque é só no domingo que vale. Temos o regulamento muito sério, muito rígido, e não podemos deixar de cumprir.

“Oh Tadeu, deixa o Felipe pedir música”, pediram, em coro, os colegas do Felipe.

Olhando mais uma vez, cuidadosamente, o regulamento. Encontramos o artigo 101, que diz claramente o seguinte, quando o artilheiro é um moleque fera, chamado Felipe, pode pedir quantas músicas quiser.

“É a realização de um sonho de toda uma família, de uma estrutura. É mais que um título mundial, é mais que um prêmio de Mega Sena, é amor puro”, conta Alexandre Faleiro, advogado e pai do menino.