Para autistas, qual é melhor: iPad ou outros tablets?

cabecalho-site-PaivaJunior-c

iOS-x-AndroidO título deste texto é a pergunta que mais ouço nos últimos meses. Uma dúvida recorrente, principalmente entre pais de pessoas com autismo, sobretudo crianças. Para responder, escrevo este breve texto na tentativa de explicar alguns conceitos e desmistificar as questões envolvidas nesta escolha do melhor tablet para o uso com (e por) pessoas com autismo.

De início, vamos esclarecer a diferença básica entre o iPad e outros tablets; aliás, é importante destacar: o iPad é um tablet. E o objetivo não é falar bem o mal desta ou daquela marca, apenas compartilhar uma experiência prática.

iPadmini-iPad4-2012iPad é o tablet da Apple, empresa que faz tanto o equipamento (hardware), quanto seu sistema operacional, o programa (software) básico que o faz funcionar, chamadoiOS — também usado para o smartphone iPhone e o tocador de músicas digitais iPod Touch, todos da Apple — hardware e software feitos um para o outro, pela mesma empresa. Então, quando você ler que um aplicativo tem “versão para iOS”, significa que ele pode ser instalado num iPad, iPhone ou iPod Touch. Se, ainda mais, for “universal” quer dizer que funciona nos três equipamentos — caso contrário, ou é para iPad ou para iPhone e iPod Touch.tablet-samsung

Há outros tablets, de outras marcas, conhecidos como Android. São diversos fabricantes, cada um fazendo seu próprio equipamento (hardware), mas usando um sistema operacional em comum, chamado Android, criado pelo Google. Este sistema operacional é feito para funcionar (de certa forma) em “qualquer equipamento” (tem até projeto de satélite com Android). Logicamente, há tablets e smartphones com este software — os mais famosos são da fabricante Samsung. É preciso dizer que estes não são os únicos tablets. Há equipamentos e sistemas operacionais da Microsoft e Blackberry, por exemplo, mas ainda são pouco representativos no mercado.

 

Aplicativos

Os programas para tablets são chamados de aplicativos. Os de iOS estão todos exclusivamente na loja de aplicativos da Apple, chamada App Store, e são todos “vistoriados” e aprovados pela Apple antes de serem disponibilizados na loja, sejam gratuitos ou pagos.

AppStore-GooglePlay-lojas-de-appsOs do Android, estão na loja Google Play e em outros milhares de sites, sem precisar de aprovação, o que aumenta muito o risco de virem com vírus ou códigos mal intencionados. A maioria dos aplicativos, de ambas as lojas, são gratuitos ou custam de um a três dólares. Logico que há também mais caros, até os que superam os cem dólares, mas são minoria. No endereçohttp://app.PaivaJunior.com.br mantenho, no meu site, uma lista de aplicativos para iOS que considero úteis para o uso com autistas, gratuitos e pagos, divididos por categorias relacionadas a habilidades a serem estimuladas.

Alguns entendem que essa “falta de liberdade” da Apple — em não permitir a instalação de nada fora da loja — seja ruim. Outro (assim como eu) entendem que é uma questão de segurança e controle de qualidade, já que tudo é “vistoriado” pela Apple. É importante ressaltar que é possível quebrar esse “bloqueio” da Apple, fazendo um procedimento chamado de “Jailbreak” para burlar esse controle, descaracterizando o sistema operacional original e permitindo instalar qualquer aplicativo fora da loja oficial da Apple — o que não recomendo —, inclusive vírus e programas mal intencionados.

 

Comparação

Para não ficar só na teoria, testei um bom tablet com Android, o Galaxy Tab 2.0 — de 7 polegadas, com Android versão 4.1.1 —, fabricado pela Samsung, pois há tantos modelos e fabricantes que facilmente pode-se comparar com algo muito inferior, como tablets de R$ 200 a R$ 300, alguns sem marca, fabricados na China e chamados de “genéricos” no mercado de informática (que, diga-se de passagem, já testei um desses também e me decepcionei em menos de 15 minutos).

Não vou entrar no mérito do tamanho da tela e do equipamento, pois o justo seria a comparação com um iPad Mini que também é menor que o iPad convencional. Comparando o desempenho do sistema operacional, digo que como iPad raramente houve um travamento (nem me lembro quando travou antes). O tablet com Android, porém, travou algumas vezes, não como os genéricos, mas travou e alguns aplicativos encerraram-se sozinhos durante o uso — o que para uma pessoa com autismo pode ser motivo de grande irritação e tirar o foco da atividade. As configuração são mais complicadas no Android e é preciso entrar em vários menus para fazer coisas simples que no iPad se faz com dois ou três toques.

 

Tela sensível

Outro ponto muito importante — principalmente se tratando de pessoas com autismo — é a fluidez entre o toque na tela e a ação. No iPad, o casamento perfeito de hardware e software (equipamento e programa), ambos feitos pela Apple, é imensamente mais eficaz que no Android. O toque na tela raramente falha e a resposta é gigantescamente mais ágil. Considerando que muitos autistas precisam de uma rápida reação à ação para conectarem bem a causa à consequência, assim entendem melhor que aquele toque resultou em em tal reação, em tal movimento ou som. No Android, não foram raras os “engasgos” em diversos aplicativos. A bateria foi outro item bem superior do iPad. E, pensando no uso fora de casa, esse é um detalhe importante. A do iPad durou mais, cerca de 20% a 30% no meu teste.

AcessoGuiado-iOS6Por último, o Acesso Guiado, é outro recurso do iOS muito útil para o uso por pessoas com autismo, mantendo o foco no aplicativo em uso e facilitando muito o trabalho de manter a atenção na atividade (saiba como ativá-lo e usar neste tutorial). Importante: este recurso foi anunciado no lançamento do iOS 6, na WWDC de 2012, como algo feito para os autistas (veja o vídeo do anúncio).

Não avaliei outros itens de hardware ou de recursos que não julguei tão importantes para o uso com autistas, como por exemplo a qualidade da câmera fotográfica, acessórios, o desempenho do processador e o espaço para armazenamento interno — tenho um iPad 2 de 16Gb, o menor tamanho, e não tenho problemas; logicamente que desejo ter mais espaço e poder deixar mais filmes, livros e aplicativos instalados sem apagá-los, mas também não é um drama trabalhar com os 16Gb e apagar algumas coisas de vez em quando.

 

Opinião

Pela experiência do uso com meu filho, que está no espectro do autismo, hoje com 6 anos, o iPad é indiscutivelmente muito melhor e eficaz, por isso foco meus workshops (“Autismo + Aplicativos”) no uso com iPad. Porém, é muito importante lembrar que o autismo afeta as pessoas de maneira tão diferente — por isso há um grande espectro do autismo — que podem haver autistas que se dêem melhor com um tablet diferente do iPad, seja Android ou outro, assim com alguns se dão bem (ou até melhor) com o computador. Mas, sobretudo no trabalho com crianças, a esmagadora maioria certamente concordará com esta minha análise se testar Android e iPad.

 

Qual iPad comprar?

Aproveito para encerrar respondendo a outra pergunta frequente: Qual iPad comprar? E a resposta hoje é “qualquer um!”, pois o mais barato de todos (atualmente no Brasil o iPad 2, 16Gb, sem 3G) vai atender ao uso com autistas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: